Resenha por Xandão Cruz

Don King In-condicional

Resenha do disco por: Xandão Cruz

07 ótimos produtores de instrumentais em 12 faixas: Lucas Beatmaker, M2, Green Alien, Daniel Pereira, Dlamota, Laudz, Véi Beats, escolhidos com carinho na mix/master do 77 Produz Estúdio sob a batuta de Fex Bandollero, participações mais que especiais de DJ Claytão (Fernandinho BB), Nino Rapper, Eazy Kaos, Fex Bandollero, Carol Nazareth, Nayane Soares, Edú Lima e R. Soul, esse time forma o segundo disco solo de Don King: In-condicional com direção artística de sua esposa Tati dos Anjos e  capa feita por Man (Filosofia de Rua) e Abel Vargas que remete a antiga capa do “cafezinho” do mestre Cartola.

O disco todo traz a realidade da vida, dos guetos e tudo o que o universo periférico mostra nos dias atuais e contemporâneo, 09 anos após o lançamento de seu primeiro solo: “Triunfando sobre a Opressão”.

Don King está bem atualizado com o rap feito pelo mundo que vão de samplers de canções dos anos 70/80, passando pelo “estilo zona sul de SP” de rimar, instrumentais no estilo Distrito Federal, composições realistas e ideologias cristãs.

Mesmo com estilo dramático e pesado nas rimas, Don King sempre leva soluções em suas composições as vezes melancólica (devido a realidade do mundo), em sua maioria sempre falando a linguagem dos adolescentes que moram em periferia, usando termos que se ouve a todo momento pra quem transita pelas ruas das periferias do Brasil.

Um disco sem necessidade de palavrões pra ouvir com a família, com a “gata”, no ultimo volume nos carros e bailes tanto da “velha escola” como nos “bailes de favela” balançando o esqueleto com os “novinhos e novinhas”.

Anúncios